O que houve, o povo já não se contenta mais com pão e circo?

0

Pão e Circo pão e circo O que houve, o povo já não se contenta mais com pão e circo? P  o e CircoProporcionar pão e circo sempre foi a melhor saída para tirar a atenção da grande massa do que realmente está em jogo para os governo, o que eles não contavam é que o povo já não se contenta mais só com pão e circo.

A tática histórica de fornecer pão – da mais baixa qualidade – e circo para amenizar a insatisfação do povo revoltado com os seus governantes na idade média é usado até hoje por governos que sabem que em momentos de muita revolta popular podem derrubá-los dos tronos e tira-los do poder. Os políticos da direita brasileira e da falsa esquerda também souberam usar bem essas mesmas táticas para frear as insatisfações. Mas, por que as massas ainda estão se mobilizando para reivindicar.

 

Às vésperas de uma Copa do Mundo (o circo) e o feijão com arroz (o pão), fornecido através das políticas assistencialistas de transferência de renda e do crédito fácil. Há inúmeras razões para isso: vendo se repetindo ao longo da história a prática dessas táticas de pão e circo o povo reconhece, acaba por despertar e resolve ir além do que lhes é oferecido como migalhas, percebe que uma pequena parcela que está no poder esbanja a ostentação descaradamente, enquanto lhes é negado (educação, saúde, qualidade de vida, etc.) frente à inércia até então resultante da acomodação dessa massa.

 

Estamos vendo pelo Brasil inteiro o retorno das manifestações que ocorreram em julho de 2013, onde o mote foi o aumento da tarifa do transporte público e nesse ano os trabalhadores elegeram outro mote que é a grande quantia investida no evento e as injustiças da copa, impactos que ocorrem a comunidades próximas dos estádios nas cidades sede. A previsão de gastos públicos com a Copa do Mundo é de R$ 8,3 bilhões de reais em financiamentos; R$ 6,3 bilhões em recursos diretos do governo federal; R$ 4 bilhões de recursos diretos dos governos estaduais e R$1 bilhão de recursos diretos dos governos municipais. O que dá uma soma de 19,6 bilhões de reais levando todos a se perguntarem “se tem dinheiro para COPA por que não tem pra saúde, para educação, para saneamento, para salários, etc.?

 

Pelo Brasil, além das manifestações e protestos neste dia 15 de maio, vários setores da educação superior vão parar no dia 21/05 (quarta-feira), no Maranhão, há um mês do inicio da Copa, servidores administrativos da Universidade Federal do Maranhão mantém-se paralisados, sete unidades do Instituto Federal – IFMA deflagram greve e hoje a categoria de professores federais do Maranhão definem a adesão a greve.

 

Não só os trabalhadores resolvem dar um basta nas péssimas condições de trabalho, os estudantes também se cansaram do descaso no ensino superior, é o caso dos estudantes da UFMA em Imperatriz, que decidiram paralisar as atividades acadêmicas reivindicando qualidade do ensino superior nos seus dois campi: Centro e Bom Jesus, uma clara demonstração que a grande massa já não aceita mais migalhas, querem usufruir da riqueza produzida pela classe trabalhadora.

Sou apenas um trabalhador assalariado, casado com a companheira Irisnete Geleno, pai de quatro filhas(Ariany, Thamyres, Lailla e Rayara), morador da periferia (Boca da Mata-Imperatriz), militante partidário (PSTU) que assumiu algumas tarefas eleitorais como candidato (2006, 2008, 2010 e 2012) e que luta por uma sociedade COMUNISTA. Sempre fui e continuarei sendo a mesma pessoa de caráter que meus pais, minha escola, meus amigos ajudam a forjar. Um comunista escravo do modo de produção capitalista que não aceita a conciliação de classe defendida por muitos que se dizem de "esquerda", mas que na verdade são pequeno-burgueses que esperam sua chance no capitalismo.

Deixe seu comentário