A ideologia dominante

1

ideologia-dominante a ideologia dominante A ideologia dominante ideologia dominanteTodos concordam que a ideologia dominante é a ideologia da classe dominante. Então, podemos afirmar que a ideologia que os trabalhadores defendem é a ideologia dos patrões – o capitalismo – onde a grande parte do fruto do trabalho social é acumulada pelos proprietários dos meios de produção.

Partindo dessa constatação há uma pergunta que necessita de uma resposta urgente: o trabalhador conhece essa ideologia?

Só respondendo essa questão poderemos traçar estratégias para a revolução da classe trabalhadora. Um dos grandes equívocos – a meu ver – dos intelectuais e partidos de esquerda é achar que a classe que detém todas as condições de garantir o bem estar, a natureza e uma sociedade justa – a classe operária – está consciente de seu papel? Acredito que não! Não que ela seja intelectualmente inferior, mas pelo fato que em grande medida uma geração de trabalhadores só tiveram contato com um único meio de subsistência – a venda de sua força de trabalho – a cada dia negociada por um valor ainda mais irrisório frente às necessidades fundamentais de sua subsistência, além de outra grande parcela que aguarda no “estoque” – o lumpemproletário – até que esse mercado os chame.

Essa alienação dos trabalhadores pode se constatar em vários momentos. Quantas vezes em momentos de crises vemos os patrões reclamando que sua acumulação de capital – lucro – reduzido a patamares não aceitáveis para a manutenção da acumulação recorre como única saída encontrada a redução de direitos, salários e aumento da jornada de trabalho para os operários. Dentro dessa negociação há o papel fundamental dos sindicatos, que em sua grande maioria negociam para que os trabalhadores aceitem as soluções encontradas pelos patrões. Quando esses momentos de crises passam, nem os trabalhadores, nem os sindicatos muito menos os patrões restabelecem os direitos de antes da crise, e assim, cada vez mais temos uma classe mais “escravizada” às correntes ideológicas burguesas.

Os trabalhadores precisam se perguntar:

Só porque meu patrão é o proprietário dos meios de produção tenho que me submeter às suas condições?

O valor do trabalho produtivo desempenhado por mim é assim tão baixo que o proprietário do meio de produção só me repassa a quantia para me manter vivo, procriando e produzindo?

O Estado ao taxar com encargos sociais (empregados e empregadores) sobre o trabalho para financiamento de previdência e outros “benefícios” garante, verdadeiramente, esse retorno ao fim de minha vida produtiva?

Sou apenas um trabalhador assalariado, casado com a companheira Irisnete Geleno, pai de quatro filhas(Ariany, Thamyres, Lailla e Rayara), morador da periferia (Boca da Mata-Imperatriz), militante partidário (PSTU) que assumiu algumas tarefas eleitorais como candidato (2006, 2008, 2010 e 2012) e que luta por uma sociedade COMUNISTA. Sempre fui e continuarei sendo a mesma pessoa de caráter que meus pais, minha escola, meus amigos ajudam a forjar. Um comunista escravo do modo de produção capitalista que não aceita a conciliação de classe defendida por muitos que se dizem de "esquerda", mas que na verdade são pequeno-burgueses que esperam sua chance no capitalismo.

Discussão1 comentário

  1. Pingback: Ser patrão

Deixe seu comentário