Movimentos sociais discutem universidade pública e terceirização

0

Acontecerá nesta quarta-feira (10/06) às 19h no auditório da Universidade Federal do Maranhão/campus Centro, um seminário promovido pela Comissão pela Defesa da Universidade Pública, formada por professores, administrativos e alunos da UFMA, juntamente com os movimentos sociais como o Movimento de Comunidades Populares – MCP, da Pastoral Operária da Igreja Católica, Movimento dos Trabalhadores e Trabalhadoras sem Terra – MST e Unidade Classista debaterão os principalmente os ataques promovidos pelo governo federal com os cortes que já chegam em R$9 bilhões de reais nas verbas da educação e as Medidas Provisórias 664 e 665 e ainda a Projeto de Lei 4330.

Essa última afeta diretamente a universidade, pois abre brechas para a contratação por parte das Universidades Federais de Organização da Sociedade Civil de Interesse Público/OCIP’s, que significa assumir a atividade meio e fim (gestão e ensino), ou seja, privatização do ensino em todas as suas esferas (municipal, estadual e federal).

O convite para o seminário é aberto a sindicalistas, professores, alunos secundaristas, com a finalidade de criar uma grande mobilização a fim de barrar os ataque e defender o ensino público de qualidade e para todos.

Segue o convite:

convite-greve Movimentos sociais discutem universidade pública Movimentos sociais discutem universidade pública e terceirização convite greve

Sou apenas um trabalhador assalariado, casado com a companheira Irisnete Geleno, pai de quatro filhas(Ariany, Thamyres, Lailla e Rayara), morador da periferia (Boca da Mata-Imperatriz), militante partidário (PSTU) que assumiu algumas tarefas eleitorais como candidato (2006, 2008, 2010 e 2012) e que luta por uma sociedade COMUNISTA. Sempre fui e continuarei sendo a mesma pessoa de caráter que meus pais, minha escola, meus amigos ajudam a forjar. Um comunista escravo do modo de produção capitalista que não aceita a conciliação de classe defendida por muitos que se dizem de "esquerda", mas que na verdade são pequeno-burgueses que esperam sua chance no capitalismo.

Deixe seu comentário