Suzano e as águas do Maranhão

0

Todos sabem que o líquido mais precioso do planeta, que garante a sobrevivência da espécie humana, a água, é também um dos principais “insumos” utilizados na grande maioria dos processos industriais. Não se pensa uma indústria que não utilize água no seu processo produtivo. A empresa Suzano e as águas do Maranhão têm uma relação muito mais forte do que o que é propagado pelos governos e pela mídia em afirmar que haverá só geração de empregos.

Ao longo dos anos as terras do Maranhão foram invadidas por grandes plantações de eucalipto – que tem a fama de grande consumidores desse bem -, encontrando em nossas terras condições nutricionais do solo e abundância de água que garante grande produtividade com redução do tempo de desenvolvimento e elevação na sua massa – de 18,5 anos em seu país de origem, a Austrália, para menos de sete anos em média no Brasil -. cidades como Urbanos Santos e Cidelândia – no Maranhão – foram as primeiras do Estado a receber o plantio dessa árvore, hoje em todo o Estado do Maranhão as plantações em ocupam vastos territórios e em ampla expansão.

Em Imperatriz, graças a acordos para isenção e redução de impostos da gestão municipal de Sebastião Madeira/PSDB, será instalada uma unidade fabril da empresa SUZANO PAPEL E CELULOSE que pretende produzir celulose tipo exportação, aproveitando as condições de logística (hidrovia, ferrovia e BR-010) e ambientais: abundância de água (riachos e Rio Tocantins), terras férteis e baratas, além da disponibilidade de energia elétrica com o “linhão” Norte-Sul (Eletronorte) e a usina hidroelétrica de Estreito, para a instalação de uma fábrica que realizará o processo mais poluente da produção de papel, que é o processamento da madeira para a produção da celulose, comparando-se às gusarias para a produção do ferro em nível de poluição do ar, água e solo.

riacho-barra-grande suzano Suzano e as águas do Maranhão riacho barra grande
Foto do riacho Barra Grande retirada do EIA-RIMA/SUZANO

No processo de coleta de dado para elaboração do EIA/RIMA foram mapeados os riachos Barra Grande Murajuba (Cinzeiro) para o fornecimento da água que abasteceriam todo o processo de produção da fábrica. Uma grande falácia montada entre a Empresa Suzano, governo do Estado e Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Maranhão – SEMA, para garantir a concessão da outorga de uso das lâminas superficiais e subsolo desses riachos.

Quem conhece a região onde se encontram esses riachos (Barra Grande, Murajuba/Cinzeiro) localizado à cerca de 13 km do perímetro urbano de Imperatriz sabe que ao longo dos anos – coincidentemente próximos as plantações de eucalipto – vem perdendo sua perenidade e volume de água e consequentemente a diminuição de cardumes de peixes que eram abundantes, principal fonte de proteína para as comunidades tradicionais da região.

riacho-Murajuba-cinzeiro suzano Suzano e as águas do Maranhão riacho Murajuba cinzeiro
Foto do riacho Marajuba/Cinzeiro retirada do EIA-RIMA/SUZANO

Ironicamente no item 4.2.2 do Estudo de Impactos Ambientais – EIA/RIMA produzido Poyry Tecnologia Ltda, contratada pela Suzano, faz o seguinte registro:

“Ictiofauna O rio Tocantins e seus afluentes, dentre eles o Barra Grande e o Murajuba, tem mais de 400 espécies de peixes registrados. Pelo menos outras 56 não foram identificadas, tampouco descritas (sem registros). Toda essa riqueza, no entanto, está correndo o risco de ser prejudicada pela interferência humana principalmente pela construção de reservatórios e da piscicultura na região do empreendimento.” (EIA/RIMA, 2011, p. 56-57, grifo nosso)

Como vimos, apesar de mais de 20 anos da existência do plantio da monocultura do eucalipto sua sistemática expansão no plantio não é citado como fator/causa da diminuição da fauna (peixes) nesses riachos afluentes do Rio Tocantins. O fato é que a concessão foi dada para a capitação das águas dos riachos pesquisados e citados no EIA/RIMA elaborado pela empresa SUZANO PAPEL E CELULOSE, mas que na prática, eles sabem da incapacidade que os referidos riachos têm para fornecer a água necessária para a produção na fábrica. O engodo está sendo desvendado. Na verdade a outorga pela SEMA era para encobrir a real fonte da qual a empresa tinha interesse de usar, o Rio Tocantins, como a concessão de uso do rio envolvia negociações e estudos de impacto ambiental com órgãos federais – Instituto Brasileiros de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis-IBAMA/Agência Nacional de Águas-ANA – faria com que a empresa demandasse de mais tempo e desembolso para conseguir tal aprovação, tentar-se-á mascará com a legalização pelo órgão estadual.

O Rio Tocantins que vem ao longo do tempo sofrendo com o despejo – sem tratamento – do esgoto produzido por cidades como: Estreito, Porto Franco, Imperatriz no Maranhão e Tocantinópolis, Itaguatins no Tocantins, etc.; Pelo assoreamento de seu leito com a eliminação de suas matas ciliares e mais recentemente com a construção das Usinas Hidroelétricas de Estreito, agora, terá mais uma fonte poluente com a instalação da fábrica da Suzano e de outras Indústrias químicas que se implantarão na cidade para atender as necessidades da produtora de celulose.

Fica a tarefa de denunciar esse crime cometido pela empresa Suzano e pelo governo do Estado do Maranhão, através da Governadora Roseana Sarney, que com toda certeza é conivente com esse crime ambiental e falsa informação para a administração pública e do gestor municipal que trata a empresa como a redentora dos problemas de Imperatriz.

riachos-que-fornecerão-agua-para-a-suzano suzano Suzano e as águas do Maranhão riachos que fornecer  o agua para a suzano
Foto do EIA-RIMA/SUZANO

Precisamos apresentar uma alternativa para conservar esse bem tão importante para a manutenção da vida. Para tanto é necessário mudar o modo de produção, como alternativa o socialismo, para utilizar de forma racional a natureza através de uma produção planificada para a conservação das águas e dos ecossistemas mais diversos existentes no planeta.

Sou apenas um trabalhador assalariado, casado com a companheira Irisnete Geleno, pai de quatro filhas(Ariany, Thamyres, Lailla e Rayara), morador da periferia (Boca da Mata-Imperatriz), militante partidário (PSTU) que assumiu algumas tarefas eleitorais como candidato (2006, 2008, 2010 e 2012) e que luta por uma sociedade COMUNISTA. Sempre fui e continuarei sendo a mesma pessoa de caráter que meus pais, minha escola, meus amigos ajudam a forjar. Um comunista escravo do modo de produção capitalista que não aceita a conciliação de classe defendida por muitos que se dizem de "esquerda", mas que na verdade são pequeno-burgueses que esperam sua chance no capitalismo.

Deixe seu comentário